Conheça os principais componentes dos sistemas de alarme e detecção de incêndios.

Olá amigos! Primeiramente, feliz 2018 a todos, que esse novo ano possa ser de muitas realizações e alegrias. No post de hoje, damos continuidade à série de comentários sobre as normas estaduais de segurança contra incêndio, também conhecidas como Instruções Normativas (IN’s) que sofreram alterações ou estão em processo de consulta pública. Falaremos hoje sobre os sistemas de alarme e detecção de incêndios (SADI’s) que são regidos pela IN012. Esta, aliás estava em consulta pública até o dia 02/01/2018, o texto em consulta encontra-se disponível no site do Corpo de Bombeiros Militares de Santa Catarina. É importante frisar, que até o momento da publicação deste artigo, a nova norma ainda não estava em vigor, porém logo entrará e ainda que tenha alguma alteração após o período de consulta pública, seus principais pontos devem ser mantidos.

Via de regra, os SADI’s são exigidos para certas ocupações de edificações, quando estas tiverem áreas iguais ou maiores que 750m². Em alguns casos ainda, deve ser observado também o número de pavimentos do empreendimento, pois mesmo que a área fique abaixo do limite, pode ser obrigatória a instalação. É importante consultar a instrução normativa 01 e estar atento para o tipo de ocupação do prédio em questão.

Antes de falarmos dos componentes do sistema, é importante explicar qual a função dele. O SADI talvez seja o primeiro sistema que atuará no combate ao incêndio através da detecção rápida de qualquer indício de chama antes até que uma pessoa o possa fazer. Isso é crucial, pois na maioria dos casos o fogo se alastra de maneira violenta e sucinta, qualquer segundo é vital no combate ao fogo.

Além da parte de detecção automática, também compõem o sistema os acionadores manuais, alarmes visuais e/ou sonoros e a central de alarme, vamos agora detalhar cada um desses componentes.

DETECTORES DE FUMAÇA

Os detectores de fumaça podem se comunicar com a central de alarme através de fiação ou por radiofrequência (sem fio). Quando em uma edificação se atingir os critérios necessários para a existência do sistema de alarme e detecção será obrigatória a presença de detectores em:

  • Locais de risco isolado: casas de máquinas, de bombas, cabines de transformadores e demais locais que contem com equipamentos elétricos/eletrônicos;
  • Quartos ou salas de ocupação transitória ou coletiva (pensões, asilos, hotéis, motéis, etc.);
  • Locais com alta carga de incêndio (depósitos, armários, áreas de estoque, etc.);
  • Áreas de uso comum do imóvel (circulação, hall, etc.).

É ainda importante destacar que existem diversos modelos no mercado que detectam focos de incêndio de maneiras distintas e operam melhor sob certas condições. É fundamental que você conte com o a ajuda de um profissional especializado para fazer a melhor escolha. Seguem abaixo algumas opções e suas características.

Detector pontual de fumaça: atua no estágio inicial do incêndio e é indicado em locais que contem com materiais que produzam poucas chamas inicialmente, mas com a geração de bastante fumaça. É o caso de madeira, papel, plásticos, tecidos, etc.

Modelo de detector pontual de fumaça.

Detector pontual de temperatura: através de termistores que variam a sua resistência à uma corrente elétrica conforme muda-se a temperatura, esse detector consegue perceber mudanças repentinas de temperatura no ambiente. É indicado para locais onde o início da queima do material existente produza pouca fumaça e muitas chamas.

Modelo de detector pontual de temperatura (Fonte: Abafire).

Detectores de chama: de aplicações mais pesadas, é indicado sobretudo em locais que a chama surge rapidamente como locais com combustíveis e outros líquidos inflamáveis. Solução para hangares, aeroportos e plataformas de petróleo;

Detector de chama (Fonte: Kidde).

Detector por amostragem de ar: extremamente sensível ele é capaz de identificar o superaquecimento de um cabo elétrico por exemplo. Ele identifica a emissão de gases provenientes da combustão de algo antes mesmo de chegar-se a um estágio visível pelo olho humano. Trata-se de toda uma rede, que substitui os detectores pontuais de incêndio por pontos de coleta de ar para amostragem. É indicado em locais “limpos” onde não há a presença de gases e/ou partículas em suspensão como museus, centrais de telecomunicação e certos armazéns;

Exemplo de um sistema de detecção por amostragem de ar.

Detector linear de fumaça: atua emitindo um feixe que é refletido para o próprio emissor, este faz a leitura do feixe que retorna e qualquer discrepância fora dos intervalos de segurança é o suficiente para que se dispare o alarme. É indicado para locais com pé-direito elevado onde a instalação e manutenção de detectores pontuais pode ser onerosa;

Detector linear de fumaça: emissor e receptor (Fonte: Argus).

Detector linear de temperatura: produto versátil e econômico que consiste em cabos do tipo “termopar” que permitem detectar um aumento de temperatura em qualquer ponto ao longo de seu comprimento, estes são então conectados à uma central de alarme. É o indicado para a detecção de incêndios em locais extensos e de difícil acesso como bandejas de cabo, eletrocalhas e painéis elétricos. Os detectores devem ser instalados em contato com o material a ser protegido.

Cabos tipo termopar (Fonte: Argus)

Central do sistema linear de detecção.

ACIONADORES MANUAIS

Além dos detectores que fazem a identificação do início de um sinistro de maneira automática existem ainda os acionadores manuais, estes devem ser instalados em locais de uso comum e rotas de fuga e próximos a outros dispositivos de proteção contra incêndio como caixas de hidrantes e extintores. Dessa forma os habitantes/usuários da edificação podem rapidamente localizá-los e dispará-los em uma situação de emergência.

Modelo de acionador manual (Fonte: Abafire).

AVISADORES SONOROS OU VISUAIS

Estes também devem localizar-se em áreas comuns e próximos à outros equipamentos de combate. Sua função é de que quando feito o disparo do sistema de alarme e detecção, o restante das pessoas no local possam ficar a par da situação de risco e possam também dar início aos procedimentos de segurança para combate às chamas e evacuação do local.

Avisador sonoro.

Os avisadores visuais ainda, são de instalação obrigatória em locais com altos níveis de pressão sonora, locais com acesso de portadores de deficiência auditiva e localizações onde os presentes usem protetores auriculares constantemente (ex.: fábricas).

Avisador visual.

CENTRAL DE ALARME

É o cérebro do SADI, ali que serão coletadas e analisadas as informações dos outros dispositivos que fazem parte da rede. É fundamental que a mesma seja instalada em locais de vigilância permanente, para que qualquer anomalia seja fácil e rapidamente identificada. Locais de vigilância permanente podem ser: uma guarita ou portaria no caso de um prédio residencial ou a central de segurança em shopping center ou indústria por exemplo.

No painel da central devem constar a indicação de algumas informações: fonte de energia ativada; nível crítico de energia; falha de comunicação ou alimentação com os demais componentes do SADI.

Modelos de centrais de alarme e monitoramento.

É possível ainda, em certos casos, fazer a ligação da central de alarme diretamente com a central de emergência do Corpo de Bombeiros Militares de Santa Catarina para que, em caso de sinistro a corporação mais próxima possa ser avisada e desloque-se para o local o mais rápido possível. Fazer essa ligação ou não é um critério do projetista e deve ser analisada pela coordenação dos bombeiros.

Mais uma vez é importante lembrar que deve-se procurar um profissional habilitado e especializado, pois somente ele poderá lhe auxiliar na escolha e dimensionamento dos melhores equipamentos para a sua situação. De qualquer forma, esperamos ter tirado suas dúvidas e lhe ajudado a compreender mais esse fundamental sistema de prevenção de incêndios.

http://www.kidde.com.br

http://www.cbm.sc.gov.br/dat/images/arquivo_pdf/IN/consulta_publica/IN_012_SADI_01nov2017_consulta_pblica.pdf

http://www.argus-engenharia.com.br

Sem comentários

Postar um comentário